Escolher um advogado pode parecer uma decisão simples. Você recebe uma recomendação quando tem um problema e se a proposta está dentro do esperado, contrata.

A recomendação sem dúvida é o primeiro passo e um passo importante porque denota confiança por parte de quem fez a indicação. E como um bom médico, se você tem um problema que pode afetar seu patrimônio e, às vezes, sua liberdade, a guarda de filhos, a continuidade do seu negócio, você quer ter certeza de que está tratando com profissionais mais do que capacitados.
Assim, eu diria que além da confiança, referência de terceiros, é importante que o contato com o advogado lhe transmita segurança! Ora, você tem acompanhado na mídia o estado da justiça brasileira e ouvido de conhecidos o quanto as decisões judiciais variam do entendimento do juiz! Infelizmente, hoje em dia, por melhor que o advogado seja, ele nunca pode prometer resultado. Que vai conseguir, que vai ganhar ou vai te entregar alguma coisa, especialmente se isso depender do judiciário.

Ao contrário, deve saber te explicar todos os riscos, caminhos possíveis e custos envolvidos!

Por exemplo, algo que muitos advogados não deixam claro para os clientes e não tomam cuidado ao recomendar a propositura de ações judiciais é que se o cliente perder, ele tem que pagar “honorários de sucumbência” à outra parte. Isso representa de 10% a 20% do valor atribuído ao processo.
Ou seja, ao decidir processar alguém, o cliente tem que estar ciente deste risco. Por melhor que sejam as chances de êxito do processo. E o advogado tem que lhe apresentar alternativas e informar qual será o valor atribuído ao processo para que o cliente saiba o quanto irá pagar se perder. O advogado deve informar de antemão o quanto é esperado que o cliente gaste com peritos, recursos, etc., para que ele se prepare para esses custos.

Além disso, o bom advogado sempre apresenta alternativas, “passos” e riscos associados a cada uma delas. Pincipalmente porque hoje não podemos contar que a justiça irá aplicar o “melhor” direito! Ela não pode ser a solução do problema. Na melhor das hipóteses, tem que ser um meio para atingir um fim.Fuja do advogado que quer “judicializar” qualquer demanda, sem lhe apresentar uma estratégia para resolver o processo ao longo do caminho e o motivo pelo qual este é o único recurso! Um processo demora anos e a decisão nunca é previsível, ainda que haja milhares de precedentes favoráveis em casos idênticos!

Mais do que tudo acredite se o seu advogado diz-lhe que o seu caso é crítico e as suas chances de perder são altas. Ninguém quer ouvir isso e todos esperam soluções miraculosas. Mas, quando o advogado é honesto sobre suas chances, é possível trabalhar com estratégia para minimizar o problema, ganhar tempo, etc. Infelizmente, já tivemos a experiência de atender prospectos que não acreditaram no nosso diagnóstico, contrataram outro advogado que prometeu resolver o problema, não conseguiu, e o cliente acabou nos procurando novamente, mas já em um estágio em que as medidas paliativas não surtiriam mais efeito.

É clichê, mas como médicos, os remédios possíveis também estão diretamente relacionados ao momento em que o problema é detectado! Quanto mais tarde, menos alternativas são aplicáveis.

TCT Advogados

Postado por: TCT Advogados, atualizado em: 24/04/2019

Desde 2011 oferecemos às empresas serviços de consultoria jurídica de forma diferenciada, com o foco principal em direito societário/empresarial, civil, trabalhista e tributário.

Comente sobre este artigo